Perfil

Quem é Simone Tebet?

A senadora Simone Tebet é a primeira mulher a presidir a Comissão de Constituição e Justiça, a mais importante do Senado. Também foi a primeira mulher a liderar a bancada do MDB na Casa. É a única representante de Mato Grosso do Sul a participar da comissão mista da Reforma Tributária.

No início de seu mandato como senadora, foi eleita presidente da Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher.

Simone iniciou sua trajetória política em 2002, como deputada estadual pelo MDB, seu único partido até hoje. Depois, foi eleita prefeita da sua cidade natal, Três Lagoas, por duas vezes. Foi vice-governadora, quando exerceu a função de Secretária de Governo, e iniciou o mandato no Senado Federal em 2015.

No Congresso, tem se destacado pela sua capacidade de articulação e pela sua competência técnica como jurista. Tem sido reconhecida pelo Diap entre os 100 Cabeças do Congresso Nacional há quatro anos seguidos (desde 2017) e foi eleita duas vezes a melhor representante do povo no Senado pelo Prêmio Congresso em Foco (2018 e 2019).

 Origem

Simone Nassar Tebet, nasceu em 22 de fevereiro de 1970, em Três Lagoas, Mato Grosso do Sul. É a filha mais velha de Fairte Nassar Tebet e do ex-senador e ex-presidente do Congresso Nacional Ramez Tebet, falecido em 2006. Sua descendência é de origem árabe-libanesa.

É casada com o deputado estadual Eduardo Rocha, com quem tem duas filhas.

Simone é advogadaprofessora universitária e política.

Formou-se em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É especialista em Ciência do Direito pela Escola Superior de Magistratura e mestre em Direito do Estado, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Começou sua vida profissional como professora universitária em seu Estado, no ano de 1992, atividade que exerceu por 12 anos. Trabalhou na Universidade Federal de Mato Grosso do SulUniversidade Católica Dom BoscoUniversidade para o Desenvolvimento do Estado e Região do Pantanal e Faculdades Integradas de Campo Grande.

Foi consultora técnica jurídica concursada da Assembleia Legislativa do Mato Grosso do Sul entre os anos de 1995 e 1997 e foi diretora técnica legislativa entre 1997 e 2001.

Trajetória Política

A experiência técnica e jurídica que obteve na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul a partir de 1995 estimulou Simone Tebet a se candidatar ao cargo de Deputada Estadual, pelo então PMDB, em 2001. Ela foi encorajada pelo apoio de grandes nomes da política do Estado, entre eles, o seu pai, Ramez Tebet. Foi eleita para o primeiro mandato eletivo em 2002, com 25.250 mil votos.

Depois de dois anos atuando ativamente na Assembleia, concorreu à prefeitura de sua cidade natal, Três Lagoas-MS. Em 2004, Simone Tebet foi a primeira mulher eleita para o executivo municipal, obtendo 66,72% dos 43.832 votos. Em 2008, foi reeleita para a prefeitura de Três Lagoas, com uma das maiores aceitações do Estado, atingindo 76% dos votos válidos.

Simone ajudou a transformar a cidade onde nasceu. Levou grandes indústrias multinacionais, gerando emprego e renda às famílias três-lagoenses. Isso fez com que o município se transformasse em cidade de porte médio. Foi a prefeita que mais construiu escolas no município. Criou clínicas especializadas de saúde da mulher, de pequenas cirurgias e a clínica da criança.

Em 2011 também foi a primeira mulher a assumir o cargo de vice-governadora de Mato Grosso do Sul, na gestão do então governador André Puccinelli.
Como vice-governadora teve um papel atuante, esteve oito vezes interinamente à frente do governo. Também foi Secretária de Governo entre abril de 2013 e janeiro de 2014.

Em 2014 Simone foi eleita ao Senado Federal com 640.336 mil votos, o que corresponde a 52,61% do eleitorado de Mato Grosso do Sul. Desde então, atua como Senadora da República, pelo MDB.

Brasília

No Congresso Nacional, Simone Tebet tem seu trabalho reconhecido pelos colegas, jornalistas e representantes da sociedade civil que acompanham o dia a dia do Legislativo. Ela é bicampeã do Prêmio Congresso em Foco (2018 e 2019), eleita pelo júri especializado, a melhor representante do povo no Senado.

Também está na lista do DIAP, que seleciona os “Cabeças do Congresso”, há quatro anos consecutivos (2017 – 2020). Em 2016, entrou na publicação como parlamentar em ascensão. O “Cabeças do Congresso” reconhece a atuação dos 100 mais influentes entre os 594 parlamentares. Simone está entre os formuladores, ou seja, aqueles que têm alta capacidade de argumentação e negociação, são os mais propositivos e interferem diretamente na agenda do Congresso Nacional.

Atualmente, a senadora Simone Tebet é a primeira mulher a presidir a Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal – CCJ (biênio 2019-2020). A Comissão é considerada a mais importante da Casa e apenas após 193 anos de história está tendo uma mulher no seu comando.

Em 2019, ela imprimiu alta produtividade à CCJ e teve a sua atuação elogiada pelos colegas, que destacaram sua firmeza, disciplina, objetividade, honestidade e capacidade de diálogo. Em 2020, a pandemia do coronavírus obrigou a suspensão dos trabalhos presenciais na maior parte do ano. Mesmo assim, a firmeza na atuação da senadora Simone Tebet foi percebida à frente da CCJ, quando o colegiado se reuniu presencialmente para votar diversas autoridades indicadas pelo Presidente da República, como o ministro do STF.

Na eleição para a Presidência da Casa em 2019, Simone chegou a ser cotada como pré-candidata. Concorreu dentro da bancada do MDB, mas por 7 x 5 Renan Calheiros foi escolhido pelo partido para concorrer com os demais candidatos em Plenário. No meio do processo de votação, Renan desistiu da disputa e Davi Alcolumbre (DEM) saiu vencedor.

Para o pleito de 2020, após decisão do STF que confirmou a impossibilidade de reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado na mesma legislatura, Simone Tebet voltou a ser citado pela mídia e por parlamentares como bom nome para ocupar o cargo.

Acostumada a ser pioneira entre as mulheres ao exercer funções públicas, Simone Tebet também foi a primeira mulher a liderar o MDB no Senado em 2018, maior bancada da Casa, com, então, 13 experientes parlamentares.

Atuação em Comissões

Simone Tebet é a atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado (biênio 2019-2020). Ela é a primeira mulher eleita para exercer tal função naquela que é considerada a comissão mais importante da Casa, após 193 anos de história da instituição. Respeitada pelos colegas, ela tem seu trabalho reconhecido pela capacidade de articulação, diálogo, disciplina e firmeza.

Em 2020, Simone integrou, como membro titular, a Comissão Temporária Externa para acompanhar as ações de enfrentamento aos incêndios detectados no bioma Pantanal. Como representante do Mato Grosso do Sul, ela reforçou o pedido de inclusão de brigadas permanentes de incêndios no Pantanal, especialmente, em Corumbá. Simone apresentou uma Indicação ao presidente da República, solicitando a inclusão do bioma Pantanal no Conselho da Amazônia Legal, como forma de garantir mais recursos e infraestrutura à proteção do Pantanal.

A senadora também é a única do seu Estado a integrar a Comissão Mista Temporária da Reforma Tributária.

Ela é coordenadora do Centro-Oeste da Frente Parlamentar da Renda Básica, formado por mais de 200 deputados e senadores em busca de alternativas ao auxílio emergencial no pós-pandemia e ao aperfeiçoamento do programa Bolsa Família.

No biênio 2019-2020, Simone Tebet ainda integra, como titular, a Comissão Permanente Mista de Combate à Violência contra a Mulher; o Conselho da Ordem do Congresso Nacional; e os Grupos Parlamentares Brasil-Arábia Saudita; Brasil-China; e Brasil- Países Árabes. É suplente na Comissão de Relações Exteriores.

No segundo biênio do seu mandato (2017-2018), a senadora sul-mato-grossense passou a integrar as duas mais importantes comissões temáticas do Senado: A Comissão de Constituição e Justiça e a Comissão de Assuntos Econômicos. Atuou como vice-presidente da CPI dos Maus Tratos de crianças e adolescentes. Além disso, foi titular na Comissão Mista de Consolidação da Legislação Federal, na Comissão de Educação. Também integrou os Grupos Parlamentares Brasil-China e Brasil-Sérvia. Como suplente, esteve na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo, na Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher (que presidiu no biênio anterior) e na Comissão de Transparência e Governança.

No primeiro biênio de mandato (2015-2016) ela integrou 10 colegiados, entre comissões e conselhos. Presidiu a Comissão de Combate à Violência Contra a Mulher e foi membro titular da Comissão de Constituição e Justiça, da Comissão de Desenvolvimento Regional e da Comissão de Educação. Também foi designada para Comissão de Consolidação da Legislação Federal e Regulamentação da Constituição. E suplente na Comissão de Direitos Humanos.

Ela ainda fez parte de colegiados temporários como a Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional, criada para debater as matérias elencadas na chamada Agenda Brasil. Foi vice-presidente da Comissão Especial para analisar o Pacto Federativo e participou, ainda, da comissão especial da Reforma Política e da CPI do Carf. Estes três últimos funcionaram ao longo de 2015.

Também presidiu o Conselho do Diploma Mulher-Cidadã Bertha Lutz e integrou a Procuradoria Parlamentar ao longo do biênio 2015-2016.

Dentre as inúmeras bandeiras que elegeu, dá destaque especial ao desenvolvimento regional e luta pela diminuição da desigualdade social.

IMPEACHMENT

A senadora Simone Tebet teve atuação de destaque na Comissão Especial do Impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, que se reuniu entre 26 de abril e 4 de agosto de 2016. A argumentação embasada juridicamente e a clareza ao expor fatos e opiniões chamou a atenção dos colegas, da imprensa e dos cidadãos de todo o Brasil.