Mulheres ameaçadas podem ter medidas protetivas mesmo sem inquérito policial

O projeto (PLS 197/2014) que admite medidas protetivas de urgência para mulheres ameaçadas, mesmo sem inquérito policial ou processo penal contra o suposto agressor, volta para a análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado (CCJ). Segundo a senadora Simone Tebet (MDB-MS), o objetivo da proposta é garantir a segurança da mulher nos casos em que a violência, ainda que não consumada, seja iminente.