Simone Tebet propõe redistribuição da carga tributária e aponta surdez da classe política

A Senadora Simone Tebet, líder do MDB, sugeriu que, já na próxima semana, se coloque na pauta do Senado projetos mais afinados com a demanda da sociedade, como matérias que tratem da redistribuição da carga tributária.

Ela criticou o Senado por não ter votado a tempo a MP 806/2017 que alterava a tributação de fundos exclusivos de investimento, deixando a medida perder a eficácia. “Se os fundos privados fossem taxados, teriam gerado aos cofres públicos cerca de R$ 10 bilhões por ano. Exatamente o valor necessário para cobrir a redução de R$ 0,46 sobre o litro do diesel”, comentou.

Nesta terça-feira, o Senado aprovou a reoneração da folha de pagamento de 28 setores da economia para bancar o barateamento do combustível e  compensar gastos da União com promessas feitas aos caminhoneiros. “Precisamos fazer uma reflexão para, sem aumentar impostos, sem penalizar ainda mais a classe produtora, comerciantes e empresários, encontrarmos saídas e realmente fazer justiça tributária no País”, disse, em discurso no Plenário nesta quinta-feira (30).

Para ela, a classe política não está ouvindo as ruas. “Como dizia a canção de Tom Jobim, ‘É pau, é pedra, é o fim do caminho’. É assim que se vê a sociedade”. Simone pondera que, além da reformulação da carga tributária, o povo quer ver o uso eficiente de recursos e a redução do tamanho do Estado. Questiona a corrupção, a má gestão, a falta de saúde, educação e segurança e, assim, critica toda a classe política. “Tirar privilégios de todos, dos políticos, do Judiciário, do Executivo. É isso que a população quer ouvir da nossa boca”, disse.

Greve caminhoneiros

A Senadora analisou que por trás do grande apoio popular às reivindicações legítimas dos caminhoneiros está um sentimento de “basta”, de insatisfação geral.  “Não foi a greve que parou o Brasil. Quem parou o Brasil foi a política. Não podemos nos esquecer que as reivindicações continuam, como diminuir a carga tributária da gasolina e do etanol. Além disso, outras classes já falam em paralisação. Precisamos dar respostas”, disse.

Ditadura não é solução

A Senadora Simone Tebet também fez um apelo aos caminhoneiros que mantém o movimento: “Agora é hora de parar para não prejudicar ainda mais a população que apoiou as justas reivindicações. Sem radicalismos, sem intervenção militar. Ditadura não é nunca a solução num país democrático”, disse ressaltando que estamos a apenas quatro meses das eleições gerais.

Assessoria de imprensa