CMN decide adotar meta contínua para a inflação a partir de 2025, anunciam os ministros Fernando Haddad e Simone Tebet | Simone Tebet
Simone Tebet Simone Tebet

A nova esperança
do Brasil

CMN decide adotar meta contínua para a inflação a partir de 2025, anunciam os ministros Fernando Haddad e Simone Tebet

A meta será de 3%; Tebet diz que a decisão pela mudança foi unânime e Haddad destaca que a alteração alinha o Brasil com o restante do mundo

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu nesta quinta-feira (29/6) adotar a meta contínua para a inflação a partir de 2025, em substituição ao uso do ano-calendário como base. As informações foram dadas pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e pela ministra do Planejamento, Simone Tebet, em entrevista coletiva. Tebet destacou que a decisão foi unânime. “Os votos foram por unanimidade, não houve objeção, é bom deixar muito claro isso”, afirmou ela.

Ao mesmo tempo, a meta para 2026 foi fixada em 3%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. São os mesmos percentuais já anunciados para 2024 e 2025, e que foram mantidos. Tebet destacou que a decisão pela manutenção desses níveis reflete o fato de que as expectativas dos analistas do mercado já apontam para inflação dentro do intervalo em 2024, 2025 e 2026. “Não tinha sentido mudar a meta neste momento. Isso garante segurança jurídica, garante previsibilidade e mostra para o mercado que a nossa análise é antes de tudo uma análise técnica”, afirmou a ministra do Planejamento. 

Haddad destacou que a mudança da meta de ano-calendário para contínua alinha o Brasil com o que já é praticado nos principais países do mundo e representa um ganho. “Você não fica amarrado ao ano-calendário, que pode implicar uma série de constrangimentos insuperáveis”, disse o ministro. “Como disse o [presidente do Banco Central] Roberto Campos Neto hoje, é mais eficiente – a palavra é dele – é mais eficiente, porque você não fica amarrado ao ano-calendário, você tem um horizonte relevante um pouquinho de médio prazo que permite uma trajetória consistente com outras questões que precisam ser consideradas”, disse o ministro.

Segundo Haddad, o que se fazia antes no Brasil, quando havia uma crise, era abrir mão da meta para cumprir o ano-calendário. “Agora faz-se o contrário, você mantém a meta abrindo mão do ano-calendário”, disse o ministro. Ele deu como exemplo o que está ocorrendo atualmente em alguns países da Europa, em que a inflação está acima da meta, mas ela é mantida. “Isso é trabalhado de maneira sóbria pela autoridade monetária, que sabe que não vai conseguir atingi-la de um ano para o outro”, disse ele. 

O ministro acrescentou que, com o sistema de meta contínua, a prestação de contas da autoridade monetária tende a ser mais frequente. “O monitoramento sobre a trajetória é permanente”, disse ele. Os detalhes quanto à periodicidade e o modo dessa prestação de contas, explicou Haddad, serão definidos por um decreto que virá mais adiante, mas será seguido, em linhas gerais, o padrão internacional. “Não estamos desenhando um modelo novo, estamos fazendo o que já é feito no mundo inteiro, que tem um padrão e que nós vamos adotar.”

Haddad disse ainda que economia brasileira chega bem a esta reunião do CMN. “Ela chega numa situação em que cortes robustos da taxa de juros podem ser praticados a partir de agosto sem nenhum risco de desancoragem”, afirmou, chamando atenção para o fato de que a taxa Selic está atualmente em 13,75%, para uma expectativa de inflação pouco acima de 3%.

Também nesta quinta-feira, o CMN anunciou uma série de medidas relacionadas ao Plano Safra, voltadas principalmente para o pequeno agricultor. Veja mais detalhes sobre isso aqui. 

 Foto: Diogo Zacarias/Ascom-MF

+ Notícias

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A comitiva do governo federal realizou ainda uma visita técnica ao porto de Tabatinga no Amazonas O Acre, um dos Estados mais isolados do país…

leia mais
Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Em evento em Boa Vista, MPO debate projeto das rotas Sul-Americanas com autoridades e empresários de Roraima O Ministério do Planejamento e Orçamento deu sequência,…

leia mais
Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Assinatura do documento ocorreu nesta quinta (28/3), em Brasília, e prevê o desenvolvimento de atividades relacionadas aos temas de financiamento externo, gênero e sustentabilidade Durante…

leia mais
Simone Tebet

Quem é Simone Tebet