Dezenove instituições financeiras integram Coalizão Verde para o desenvolvimento sustentável da Amazônia | Simone Tebet
Simone Tebet Simone Tebet

A nova esperança
do Brasil

Dezenove instituições financeiras integram Coalizão Verde para o desenvolvimento sustentável da Amazônia

Número é anunciado em Belém (PA); ministra Simone Tebet reforça a importância do financiamento e fala em metas transparentes e entregas no PPA

Dezenove instituições financeiras juntas no financiamento do desenvolvimento sustentável da região amazônica. Foi com esta boa notícia que ministras de Estado, do Brasil e da Colômbia, e os presidentes do BNDES e do BID deram início ao Seminário “Coalizão Verde: Mobilizando Recursos para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia”, nesta segunda-feira (7/8), em Belém do Pará. Os dois bancos assinaram um termo de R$ 4,5 bilhões para micro, pequenos e médios empreendedores da Amazônia Legal, e que será enviado para apreciação da Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex). Nas falas de abertura, ficou reiterado o compromisso do governo brasileiro com o desmatamento zero.

Ao discorrer sobre o processo de participação popular na elaboração do Plano Plurianual (PPA) de 2024 a 2027, marcado pela escuta dos representantes da sociedade civil nas 27 unidades da Federação, a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, chamou atenção para o fato de que, mesmo em meio a necessidades básicas, como segurança alimentar e moradia, “a questão da sustentabilidade do meio ambiente sempre estava presente”.

PIN_3277.JPG

“Este PPA teve na plataforma digital a maior votação para a agenda de combate ao desmatamento e às mudanças climáticas”, afirmou a ministra. Na agenda transversal ambiental, segundo Tebet, já são 39 programas em 22 ministérios e 193 entregas relacionadas à agenda ambiental. Entre os indicadores-chave nacionais a serem cumpridos nos próximos anos estão a redução da emissão de gases de efeito estufa, desmatamento ilegal zero em biomas como Amazônia e cerrado, qualidade da água, transição energética.

A ministra ressaltou, contudo, a importância do financiamento para que essa agenda saia do papel. “Já estamos preparando esse futuro. Mas precisamos de vocês. Precisamos de financiamento, de doações. O Brasil não suporta sozinho, como os países amazônicos [também não suportam], resolver o problema da Amazônia Legal”, afirmou. “Precisamos de doações dos países desenvolvidos para que possamos proteger a maior floresta tropical do mundo.” Tebet enfatizou, na sequência, que é “desmatamento ilegal zero já, não é para amanhã ou daqui a quatro anos.” Serão disponibilizadas, segundo ela, metas ambientais pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), com transparência para acompanhamento e cobrança pela sociedade civil.

Antes dela, a ministra do MMA, Marina Silva, disse que as grandes desestabilizações que a ação humana tem causado ao planeta tornam necessária uma inversão de perspectiva. “Não é mais a partir do presente olhando o futuro. É a partir do futuro olhando para o presente. O futuro nada mais é do que o pretexto para que possamos fazer as coisas no presente. Olhar para o futuro para criar o presente que nós estamos criando agora, inclusive com essa iniciativa, é o que pode fazer a diferença de fato após essa cúpula”, disse a ministra. “Vamos financiar aquilo que significa a nossa própria existência cultural, social e simbólica”, acrescentou Marina. O Brasil, disse ela, será o país “que vai exportar sustentabilidade econômica, social, ambiental, cultural, política e de valores. E a democracia é um valor.”

belem1.jpeg

A ministra do Meio Ambiente da Colômbia, Susana Muhamad, defendeu a redução da burocracia, combinada com o aumento da presença do Estado na região. “Precisamos construir o Estado e instituição permanentes na Amazônia. Economias ilícitas e máfias ocupam espaços vazios.” A vice-governadora do Pará, Hana Ghassan, destacou a importância de programas de desenvolvimento que gerem emprego e renda, mantendo a floresta em pé. O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, falou da oportunidade que a COP 30 representa: “uma janela dentro de janelas”.  

O seminário é promovido pelo BNDES e pelo BID; seus presidentes, Aloizio Mercadante e Ilan Goldfajn, respectivamente, deram as boas-vindas. Mercadante reforçou a meta de desmatamento zero e a importância estratégica do Brasil na discussão ambiental. Ilan associou sustentabilidade e desenvolvimento em sua fala. “Não há como preservar a Amazônia sem desenvolver a região, sem criar alternativas para a população que mora aqui”, disse. “A Coalizão Verde vai transformar de forma integrada e colaborativa a região.”

ASCOM / MPO

+ Notícias

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A comitiva do governo federal realizou ainda uma visita técnica ao porto de Tabatinga no Amazonas O Acre, um dos Estados mais isolados do país…

leia mais
Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Em evento em Boa Vista, MPO debate projeto das rotas Sul-Americanas com autoridades e empresários de Roraima O Ministério do Planejamento e Orçamento deu sequência,…

leia mais
Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Assinatura do documento ocorreu nesta quinta (28/3), em Brasília, e prevê o desenvolvimento de atividades relacionadas aos temas de financiamento externo, gênero e sustentabilidade Durante…

leia mais
Simone Tebet

Quem é Simone Tebet