Fim do foro privilegiado, reforma política e teto de gastos foram aprovados na CCJ | Simone Tebet
Simone Tebet Simone Tebet

A nova esperança
do Brasil

Fim do foro privilegiado, reforma política e teto de gastos foram aprovados na CCJ

A CCJ manteve elevada produtividade e soube responder às demandas da sociedade, obedecendo ao seu mandato de zelar pela Constituição, afirmou José Maranhão (PMDB-PB), presidente da comissão

O presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), senador José Maranhão (PMDB-PB), citou na quarta-feira (14) o fim do foro privilegiado para autoridades nos crimes comuns, a reforma política e a fixação de um teto para os gastos públicos entre 330 proposições legislativas votadas pelo colegiado em 2016.

Em 43 reuniões, conforme Maranhão, a CCJ manteve elevada produtividade e “soube responder às demandas da sociedade, obedecendo ao seu mandato de zelar pelo texto constitucional e proporcionar debates de alto padrão para solucionar as questões brasileiras mais relevantes”.

O fim do foro privilegiado, previsto na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 10/2013, do senador Alvaro Dias (PV-PR), não altera o artigo 53 da Constituição, que prevê a inviolabilidade civil e penal dos senadores e deputados por suas opiniões, palavras e votos, como destacou o presidente da CCJ. A proposta deverá ser votada pelo Plenário em dois turnos, em 2017.

A reforma política introduzida pela PEC 36/2016, dos senadores Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Aécio Neves (PSDB-MG), reforça a fidelidade partidária de políticos eleitos, extingue as coligações nas eleições proporcionais e estabelece cláusula de barreira na atuação parlamentar dos partidos. Aprovada também pelo Plenário, a reforma política seguiu para deliberação da Câmara dos Deputados.

O teto para as despesas primárias da União, conforme a PEC 55/2016, de iniciativa do Executivo, será o montante do gasto do ano anterior corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A PEC foi aprovada em dois turnos pelo Plenário do Senado e originou a Emenda Constitucional 95, promulgada pelas Mesas das duas Casas legislativas na quinta-feira (15).

Fundos de pensão

O senador disse que a CCJ aprovou matérias importantes para a administração pública, como a exigência de processo seletivo público para a escolha dos dirigentes das diretorias executivas dos fundos de pensão. A proposta foi posteriormente aprovada pelo Plenário, na forma de substitutivo ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 78/2015, do senador Valdir Raupp (PMDB-RO), e encaminhada à Câmara dos Deputados.

No campo tributário, o presidente da comissão citou a simplificação das exigências fiscais e tributárias para microempresas e empresas de pequeno porte. A medida consta da PEC 57/2016, que resultou do trabalho da Comissão de Juristas da Desburocratização e que, agora, deverá ser votada em dois turnos pelo Plenário do Senado.

Imparcialidade e coragem

O vice-presidente da CCJ, senador José Pimentel (PT-CE), avaliou 2016 como um ano de fortes embates políticos, e disse que José Maranhão é “um presidente adequado” para esse período difícil. Alvaro Dias reconheceu que o presidente da CCJ procura administrar com imparcialidade a distribuição de relatorias de propostas, fato que considera incomum na Casa, pois há, como afirmou, “uma queixa generalizada” quanto ao assunto.

Para Randolfe Rodrigues (Rede-AP), foi “atitude de coragem” de Maranhão colocar em pauta o fim do foro privilegiado, proposta elaborada e relatada por senadores de oposição. José Agripino (DEM-RN) disse que não faltaram a Maranhão “altivez e coragem, muitas vezes entrando em rota de colisão com companheiros de seu partido, na defesa das prerrogativas da comissão”.

Qualidade do trabalho

Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) afirmou que a qualidade do trabalho da comissão o faz lamentar o fato de algumas matérias importantes serem levadas ao Plenário sem passar pelo crivo da CCJ. Citou como exemplos os projetos sobre abuso de autoridade, legalização dos jogos de azar e securitização de créditos tributários e não tributários dos três entes da federação. O projeto sobre abuso de autoridade (PLS 280/2016), por um acordo de líderes anunciado ainda na quarta-feira (14) durante a sessão plenária, foi encaminhado à análise da CCJ.

Também destacaram o trabalho de Maranhão como presidente da CCJ os senadores Antonio Anastasia (PSDB-MG), Simone Tebet (PMDB-MS), Valdir Raupp (PMDB-RO) e Magno Malta (PR-ES).

Agência Senado

Compartilhe
TAGS

+ Notícias

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A comitiva do governo federal realizou ainda uma visita técnica ao porto de Tabatinga no Amazonas O Acre, um dos Estados mais isolados do país…

leia mais
Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Em evento em Boa Vista, MPO debate projeto das rotas Sul-Americanas com autoridades e empresários de Roraima O Ministério do Planejamento e Orçamento deu sequência,…

leia mais
Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Assinatura do documento ocorreu nesta quinta (28/3), em Brasília, e prevê o desenvolvimento de atividades relacionadas aos temas de financiamento externo, gênero e sustentabilidade Durante…

leia mais
Simone Tebet

Quem é Simone Tebet