Indústria da construção aponta reformas como caminho para retomada do crescimento | Simone Tebet
Simone Tebet Simone Tebet

A nova esperança
do Brasil

Indústria da construção aponta reformas como caminho para retomada do crescimento

 

Representados pelo Sinduscon/MS (Sindicato Intermunicipal da Indústria da Construção do Estado de Mato Grosso do Sul) e Asmeop (Associação Sul-mato-grossense de Obras Públicas), com apoio da Fiems, empresários da indústria da construção civil promoveram, na manhã desta segunda-feira (24/04), no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande, evento para falar da necessidade de aprovação das reformas Trabalhista e da Previdência, que tramitam no Congresso Nacional. Na presença de parte da bancada de Mato Grosso do Sul, os empresários apontaram as mudanças como caminho para retomada do crescimento econômico.

Presidente do Sinduscon/MS, Amarildo Miranda Melo declarou que o segmento da construção civil apoia as reformas em razão do reestabelecimento do equilíbrio nas relações trabalhistas e nas finanças do País. “A questão trabalhista hoje é desigual, é uma área na qual as despesas pendem para o empresário, e deveria haver um equilíbrio nesta balança. Sobre a Previdência, também há um desequilíbrio, e se isso não for ajustado agora, dentro de dez anos não se paga mais o benefício para o trabalhador que contribuiu corretamente. Somos favoráveis às reformas porque entendemos que as mudanças criarão um ambiente de negócios e investimentos, o que fará o Brasil voltar a gerar emprego e renda para a população”, emendou o dirigente sindical.

Representando o presidente da Fiems, Sérgio Longen, o vice-presidente Alonso Resende do Nascimento, destacou a necessidade de discussão do tema com a bancada federal. “Esta oportunidade para o empresário manifestar sua opinião sobre projetos que tramitam no Congresso Nacional é de extrema importância, porque o parlamentar, que atua como representante do povo, precisa dessa compreensão sobre os anseios da população”, avaliou.

Presidente da Asmeop, que também promoveu o evento, Renato Murilo da Silva, especialmente a aprovação da reforma Trabalhista vai gerar mais empregos. “Com certeza geraria mais empregos porque, hoje, o empresário só contrata em último caso. O trabalhador é o fardo mais pesado que a empresa carrega, com uma série de obrigações previstas, e depois vem as imprevistas, com uma legislação dúbia e que a gente não tem controle. Então a aprovação dessa e das outras reformas será essencial para o País, o setor produtivo sente que precisa haver uma desburocratização. As coisas ficaram mais difíceis ao longo do tempo, o ambiente de negócios no Brasil tornou-se muito ruim e o empresário é um mágico, um equilibrista em um ambiente tão adverso”, afirmou.

Para o senador Waldemir Moka, que discursou com coordenador da bancada sul-mato-grossense no Senado, o momento é de “enfrentamento político” para que se façam aprovadas mudanças “amargas, porém necessárias. “Votamos sempre pensando primeiramente no bem do País e, depois de Mato Grosso do Sul. Neste momento, precisamos ser firmes e corajosos, e mostrar que, apesar de haver descontentamento, há, sim, muita gente que compreende o momento do País. É fazer a reforma, esperar alguns meses e então o País vai retomar o crescimento. Esse País precisa de reformas e segurança jurídica”, ressaltou o senador.

A senadora Simone Tebet destacou o processo de discussão que envolveu diversos setores da sociedade civil, até que se chegasse ao texto da reforma que hoje tramita no Congresso. “Precisávamos todos os lados, do servidor público, do trabalhador privado, do setor produtivo do País. Claro que há visões e pensamentos diferentes, mas estamos em uma democracia, e nós levamos tudo isso em conta para darmos o nosso voto, pensando, claro, no que é melhor para o País. Foi desta forma, inclusive, que avançamos na flexibilização das regras, como a questão da idade mínima da mulher e aposentadoria do trabalhador, alterações fruto de pedidos das ruas. A reforma é necessária, se não esta que veio da Presidência da República, mas esta que tramita agora, e acredito estarmos chegando lá, em uma reforma mais enxuta, porém profunda, e que não prejudica o trabalhador e permite ao País voltar a crescer”, avaliou a senadora.

O senador Pedro Chaves afirmou que a reunião foi muito importante para que os empresários manifestassem seus anseios. “O Parlamento tem que ser reflexo da sociedade, e o setor produtivo está diretamente envolvido nessas questões das reformas porque é o responsável pela geração de emprego e renda”, afirmou.

Presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência na Câmara, o deputado federal Carlos Marun iniciou o discurso fazendo um resgate sobre como o País chegou à crise econômica, segundo ele, em razão da “exaustão do modelo fiscal dos últimos anos” e afirmou que, a cada R$ 2 arrecadados no País, mais de R$ 1 vai para o pagamento de aposentadorias e pensões. “Por isso, não é mais viável, isso não existe. Quem é contra a reforma da Previdência ou é contra o governo ou é contra o Brasil”, defendeu.

O deputado federal Geraldo Resende, também presente no evento, declarou apoio às reformas previdenciária, trabalhista e tributária. “Precisamos defender e trabalhar pelo crescimento do País e, para isso, é necessário estabelecermos um modelo novo, até porque a legislação trabalhista é centenária e está longe de se adequar à realidade de hoje”.

Representando o Governo do Estado, o secretário de Obras, Marcelo Miglioli, avaliou que as reformas serão importantes tanto para o setor público quanto para o privado. “Entendemos que essas reformas são importantes para o futuro do País como um todo, o poder público necessita dessas mudanças, a iniciativa privada, e temos que entender que não é contra o trabalhador, até porque se a empresa não existe não existe o emprego, então entendemos que as reformas são fundamentais”, finalizou.

Compartilhe
TAGS

+ Notícias

Cidades gaúchas já estão recebendo recursos emergenciais, diz Tebet

Cidades gaúchas já estão recebendo recursos emergenciais, diz Tebet

Ministra do Planejamento e Orçamento detalhou medidas do governo federal de apoio ao Rio Grande do Sul em entrevista; acesso à ajuda ocorre de maneira…

leia mais
Ministério do Planejamento e Orçamento discute projeto Rotas de Integração Sul-americana com entidades sindicais em São Paulo

Ministério do Planejamento e Orçamento discute projeto Rotas de Integração Sul-americana com entidades sindicais em São Paulo

Iniciativa foi apresentado pela ministra Simone Tebet e pelo secretário de articulação institucional, João Villaverde, em evento com representantes da Força Sindical e de setores…

leia mais
MS recebe mais de US$ 21,2 milhões do Focem para projetos de infraestrutura urbana e saneamento básico

MS recebe mais de US$ 21,2 milhões do Focem para projetos de infraestrutura urbana e saneamento básico

Projetos de infraestrutura urbana e saneamento básico de três municípios de Mato Grosso do Sul foram aprovados pela Cofiex (Comissão de Financiamentos Externos), presidida pelo…

leia mais
Simone Tebet

Quem é Simone Tebet