Ministro da Infraestrutura promete contemplar Bioceânica após pressão da bancada de MS

Simone reclama do tratamento diferenciado para o Estado e reforça a importância estratégica de MS para o Brasil

“Não vamos aceitar tratamento diferenciado”, disse a senadora Simone Tebet (MDB-MS) logo no início da reunião no Ministério da infraestrutura, realizada na manhã desta quinta-feira, com o Ministro substituto, Marcelo Sampaio, o Diretor-Geral do DNIT, general Antônio Leite dos Santos Filho, parlamentares da bancada e representantes do governo de Mato Grosso do Sul.

A reunião foi marcada para que os parlamentares destacassem as prioridades do Estado, uma vez que o orçamento previsto para o Ministério em 2020 para o Mato Grosso do Sul será inferior em mais de R$ 100 milhões em relação ao deste ano. Em 2019, o orçamento para investimentos foi de R$ 211 milhões. Para o próximo ano, o valor cai para cerca de R$ 117 milhões. Em relação à manutenção de rodovias, reduziu de R$ 142 milhões para R$ 113 milhões. Por isso, Ministério conta com a apresentação de emendas parlamentares para reforçar o caixa.

Bioceânica

O Ministro substituto fez uma explanação a respeito das obras elencadas como viáveis para conclusão, diante da realidade de baixo orçamento. Ele explicou que em 2020 não há previsão orçamentária para a obra de acesso pela margem brasileira à ponte Binacional Brasil-Paraguai, em Porto Murtinho, na BR-267/MS. Para viabilizar a obra, seria necessária a apresentação de emenda parlamentar de R$ 1 milhão.

Os três senadores e o deputado Dr. Luiz Ovando explicaram que a rota Bioceânica é a obra mais emblemática do Estado e trará enormes benefícios para o Brasil.

“Ficamos estarrecidos ao ver que foi cortada a verba para concluir o estudo de viabilidade da Bioceânica, que já está em andamento. Precisamos de cerca de R$ 770 mil. Um Ministério que não tem R$ 1 milhão para um projeto dessa envergadura, como o da Rota Bioceânica, tem que fechar as portas”, disse.

Os senadores Nelsinho Trad, Soraya Thronicke e o deputado Dr. Luiz Ovando fizeram coro às críticas. Eles ressaltaram que a Bioceânica representará um grande diferencial para o Brasil, já que o estado é um grande produtor e exportador do agronegócio, sem contar na interligação cultural, educacional e turística que a rota promoverá.

Após ouvir as argumentações da bancada, o Ministro substituto, Marcelo Sampaio, disse que a equipe técnica vai se reunir para readequar a prioridade de destinação de recursos e que a rota Biomecânica será contemplada.

Poucos recursos para manutenção de estradas em MS

Outro ponto levantado pelos parlamentares foi o da diferença de recursos destinados ao Mato Grosso do Sul em relação a outros estados da federação para a manutenção de rodovias.  “Por que Mato Grosso do Sul vai receber muito menos do que outros estados. Se a média nacional é de 51 mil por quilômetro, por que para MS, é de 35 mil?”, questionou a senadora Simone Tebet, reclamando enfaticamente da diferença de tratamento para MS.

O Diretor-geral do DNIT explicou que as rodovias de MS estão melhor estado, com apenas 8% classificadas como ruim ou péssimo. Por isso, teriam sido reservados menos recursos para manutenção da infraestrutura rodoviária de MS em relação a outros estados.

Reforço no caixa do DNIT

Ontem, a senadora Simone Tebet reuniu-se com o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, general Luiz Eduardo Ramos, em seu gabinete, para pedir a ele o remanejamento de R$ 22 milhões de uma emenda sua. Este recurso será destinado à manutenção de trechos rodoviários em Mato Grosso do Sul. “Ele me garantiu que o recurso será liberado. Assim, atendemos ao pedido do governo estadual e do DNIT-MS.”

Assessoria de imprensa