Na reta final da campanha, senadores escrevem artigos em apoio à candidatura de Simone Tebet

Foto: Roberto Castello

A senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) publicou artigo no site Nexo Jornal defendendo um Senado independente e diz que há um movimento escancarado de cooptação. Para ela, a Senadora Simone Tebet (MDB-MS) representa a candidatura de alguém preocupado com a construção de uma sociedade civil forte, a defesa da autonomia do Senado e demonstra responsabilidade para com a Nação. Mara critica a ingerência do Executivo nestas eleições com liberação de emendas para os apoiadores dos candidatos do governo e a oferta de cargos. “Nesta eleição à presidência do Senado, fica claro que a autonomia da Casa vem perdendo espaço para um rasteiro jogo de interesses”, escreveu.

Ao longo do artigo, intitulado “Não há democracia sem um Senado independente e íntegro”, Mara Gabrilli também citou o ineditismo da candidatura da primeira mulher à presidência do Senado e destacou a “dose extra de coragem” de Simone Tebet ao tornar sua candidatura independente, quando faltou apoio de alguns integrantes do MDB.

“Coragem é a capacidade de agir apesar da intimidação. E nós não podemos nos calar diante de um movimento escancarado de cooptação”, escreveu e prosseguiu: “Além disso, ter uma mulher na presidência do Senado estimulará milhares de mulheres pelo país a seguirem lutando pelos seus direitos e a ingressarem na vida pública. (…) Chegou o momento de o Senado Federal mostrar sua independência do governo federal. Vamos eleger a primeira mulher presidente do Senado e refletir a nossa força, ética e sensibilidade para enfrentar, vencer essa crise e fortalecer a nossa democracia”, finaliza o texto.

https://www.nexojornal.com.br/colunistas/tribuna/2021/N%C3%A3o-h%C3%A1-democracia-sem-um-Senado-independente-e-%C3%ADntegro 

Na semana passada, o senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) publicou artigo no site de O Estado de São Paulo, intitulado “Por que voto em Simone Tebet”.

Ele iniciou o texto citando a frase do filósofo e jornalista José Ortega y Gasset, “O homem é o homem e suas circunstâncias”, para dizer que não consegue entrar em sintonia com suas circunstâncias do candidato da situação, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que se eleito, terá uma dívida de gratidão com Davi Alcolumbre e com o Presidente Jair Bolsonaro.

Ele ressaltou que a candidatura de Simone Tebet é baseada na sua história pessoal e que chegará ao cargo com independência, tendo compromissos, apenas, com sua biografia e sua pauta como candidata. “Isso implica compromisso com a independência do Senado e a luta constante em defesa dos interesses maiores da nação”, escreveu.

O senador ressalta que estamos em meio a uma tempestade perfeita com crises que se comungam: “crise sanitária, crise econômica, desemprego nas alturas, crise política, reformas necessárias paralisadas. No meio da tempestade, precisamos de comando independente, com credibilidade e força”, defendeu e finalizou: “Simone, sua biografia e circunstâncias conquistaram meu voto”.

O texto foi replicado no site do senador Confúcio Moura (MDB-RO)
https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/por-que-voto-em-simone-tebet/

Apoio nas redes sociais

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) também oficializou apoio à senadora Simone Tebet por meio de uma nota publicada em suas redes sociais na qual diz que o “Brasil atual impõe responsabilidades institucionais. Em nome dos preceitos sagrados da democracia, da independência dos poderes e respeito à proporcionalidade, reitero o apoio e voto em Simone Tebet, que traz ainda a força da mulher e da renovação. A eleição das mesas é um divisor de águas entre a barbárie e a civilidade, entre o isolamento e a cooperação que retardam a vacinação no Brasil.”

https://www.instagram.com/p/CKRVG2hjJfG/?igshid=1sjwi81vmaaeq

Em matérias veiculadas pela imprensa, Renan Calheiros fez duras críticas aos colegas do partido que optaram por deixar a candidatura da senadora Simone. “Viramos um bando. Deixamos de ser partido”, criticou as conversas em busca de cargos na Mesa e nas comissões. Em mensagens postadas pelo WhatsApp no grupo de senadores da sigla, Renan disse que o MDB “cristianizou” Simone Tebet e virou “pedinte”, com a bancada “mendigando” uma conversa com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para receber “carguinhos como favor”. “É o fim melancólico para quem liderou a Casa e agora foi rebaixado para Série D. Definitivamente, falta-nos rumo, bandeira e deixar claro que o óbvio esmagamento da proporcionalidade implicará na suspensão da governabilidade do Senado e do Congresso, pelo menos”, constatou Renan na troca de mensagens.

Ao longo da campanha, Simone Tebet tem recebido o apoio expresso de diversos senadores em exercício. Postaram mensagens nas redes sociais: Alvaro Dias, Oriovisto Guimarães, Lasier Martins, Alessandro Vieira, Eduardo Girão, Eduardo Braga, Dário Berger, Fernando Bezerra, Marcelo Castro, Confúco Moura, Jarbas Vasconcelos, José Serra, Mara Gabrilli, Tasso Jereissati, Leila Barros. A senadora Rose de Freitas declarou apoio pela imprensa.

O senador Jorge Kajuru, apesar de ter lançado candidatura, tem sido um ativo defensor da candidatura da senadora Simone Tebet nas redes sociais.

Além disso, os ex-senadores, como Pedro Simon e Marisa Serrano gravaram vídeos em defesa da candidatura de Simone Tebet. Eunício Oliveira, ex-presidente do Senado, e Marta Suplicy, ex-vice-presidente do Senado também declararam apoio. Tem, ainda, recebido apoio de representantes de movimentos de mulheres, MDB-Mulher, Movimento Negro Partidários e diversas entidades e associações do seu estado natal, Mato Grosso do Sul, como a FCDL-MS, ADEP-MS, OAB-MS, ASMMP-MS, ABMCJ-MS, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de MS, ADEPOL-MS, BPW- Mulheres de Negócios de MS e Nacional. Vereadores também destacam apoio, como Dharleng Campos e Professor Riverton, entre outros.