Para Simone Tebet, novo Fundeb significa passaporte para o futuro de crianças e jovens | Simone Tebet
Simone Tebet Simone Tebet

A nova esperança
do Brasil

Para Simone Tebet, novo Fundeb significa passaporte para o futuro de crianças e jovens

O Senado votará na tarde desta terça-feira (25) a proposta de emenda à Constituição que torna permanente o Fundeb, Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, principal fonte de recursos, representando 63% do investimento público em educação básica no País. Se o texto não fosse votado, o atual fundo seria extinto em 31 de dezembro.

A PEC aumenta progressivamente o percentual de participação da União nos recursos do fundo de 10% para 23%, até 2026. O texto também altera a forma de distribuição dos recursos da União, com base nos indicadores locais de aprendizagem.

A presidente da Comissão de Constituição e Justiça, senadora Simone Tebet (MDB-MS), já declarou inúmeras vezes seu voto favorável ao novo Fundeb. Ela destaca que o montante de recursos maior também vai viabilizar a construção de novas creches. Mais vagas para crianças de 0 a 3 anos deve impactar positivamente na vida das mães que poderão trabalhar e, consequentemente, melhor a renda das famílias.

“Agora nós temos segurança de que não vai faltar dinheiro para que a gente possa cuidar da educação. Agora o Fundeb vai ser permanente na Constituição e não precisará de uma nova lei a cada 10 anos. Esse dinheiro basicamente é para a valorização dos professores, aumentar salários e, mais importante, para qualificar o professor, para que possamos melhorar a qualidade do ensino público. É o passaporte para o futuro dos nossos jovens, das nossas crianças”, disse.

No Senado, a matéria é relatada pelo senador Flávio Arns (Rede-PR), que manteve o texto como veio da Câmara dos Deputados para viabilizar sua rápida promulgação, já prevista para amanhã.

De acordo com Arns, se o fundo não existisse, os valores mínimos de aplicação em educação girariam em torno de R$ 500 por aluno/ano nos municípios mais pobres do Brasil. Com o Fundeb atual esse investimento é em torno de R$ 3,6 mil. Com a PEC, esse valor deve aumentar cerca de 50% até 2026, podendo alcançar o valor de R$ 5,5 mil.

Segundo o Censo Escolar de 2018, 31% das escolas públicas no Brasil não possuem água potável; 58% não têm esgoto tratado; 33% não têm internet; 68% sem bibliotecas; e 67% não têm quadra de esportes. Numa tentativa de reduzir as desigualdades do sistema educacional brasileiro, União, Estados, DF e Municípios deverão seguir os mesmos parâmetros objetivos na hora de decidir do que as escolas, os alunos e os professores precisam. Isso ocorrerá por meio do indicador que definirá os padrões de qualidade desejados na educação, o Custo Aluno Qualidade (CAQ), que ainda será definido por Lei Complementar.

O que muda com o novo Fundeb?
• Fundeb passa a ser permanente, previsto na Constituição. Se não fosse renovado, seria extinto no final do ano. O dinheiro do Fundeb é usado para pagamento de professores e trabalhadores da educação, equipamentos, material didático, etc.

• Amplia o montante da parcela da União de 10% para 23% até 2026

• 5% do total da contribuição da União com o Fundeb será reservado, exclusivamente, para a Educação Infantil.

• 70% do montante do novo Fundeb devem ser destinados ao pagamento dos salários dos profissionais da educação (professores, auxiliares, secretarias e merendeiras). Atualmente, o valor do piso é de 60%.

• Proíbe expressamente que os valores da educação (Manutenção e Desenvolvimento do Ensino e salário-educação) sejam usados para pagamento de despesas previdenciárias (gastos com inativos). Ou seja, os percentuais obrigatórios de aplicação (25% – Estados e Municípios; 18% – União) devem ser gastos exclusivos em educação, evitando a consequente diminuição dos recursos aplicados na área.

• ICMS Educacional – no mínimo 10% deve ser destinado aos resultados educacionais, visando a melhoria da aprendizagem e o combate às desigualdades educacionais.

• Valorização por desempenho – 2,5% do total dos recursos de responsabilidade da União devem ser repassados aos entes sob o critério de bom desempenho no Sistema Nacional de Avaliação de Educação Básica (Saeb). A regra passa a valer a partir de 2022.

• Exigência de ações efetivas para escolas com alunos em situação de vulnerabilidade, como escolas rurais.

• CAQ indicará padrões de qualidade desejados para a educação brasileira, a ser definido em lei complementar.

Compartilhe
TAGS

+ Notícias

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A comitiva do governo federal realizou ainda uma visita técnica ao porto de Tabatinga no Amazonas O Acre, um dos Estados mais isolados do país…

leia mais
Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Em evento em Boa Vista, MPO debate projeto das rotas Sul-Americanas com autoridades e empresários de Roraima O Ministério do Planejamento e Orçamento deu sequência,…

leia mais
Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Assinatura do documento ocorreu nesta quinta (28/3), em Brasília, e prevê o desenvolvimento de atividades relacionadas aos temas de financiamento externo, gênero e sustentabilidade Durante…

leia mais
Simone Tebet

Quem é Simone Tebet