Procuradora e artistas de MS foram homenageadas pelo Senado com o Diploma Bertha Lutz

Foto: Roberto Castello

A procuradora de Justiça do Ministério Público de Mato Grosso do Sul, Dra. Jaceguara Dantas, recebeu, nesta terça-feira (26), o 18° Diploma Bertha Lutz, por indicação da Senadora Simone Tebet (MDB-MS).

“Para mim é uma grande honra, um reconhecimento ao trabalho do MP-MS e tenho muito a agradecer à Senadora Simone Tebet pela indicação”, disse Jaceguara ao elogiar a atuação da senadora, que considera uma grande parceira na luta pelos direitos das mulheres e das famílias brasileiras. Simone decidiu indicar a Dra. Jaceguara em reconhecimento ao seu importante trabalho voltado as Direitos Humanos, com enfoque na questão da violência contra a mulher, do racismo e da atenção às pessoas com deficiência.

O Diploma é uma homenagem a quem se destaca na luta pelos direitos das mulheres no Brasil. A Sessão Solene no Plenário do Senado teve a participação das homenageadas e dos familiares ou representantes das homenageadas in memorian. Este ano, forma agraciadas 23 brasileiras entre artistas, artesãs, professoras, juristas, médicas e políticas. Também recebeu a honraria o ex-presidente do STF, Ayres Britto.

Bibi Ferreira e artistas de MS
Em nome de toda a bancada feminina, a senadora Simone Tebet também indicou para receber o Diploma Bertha Lutz in memorian a grande artista, Bibi Ferreira, falecida no início do ano. Para Simone, é um reconhecimento do Senado à artista, mãe, esposa e trabalhadora incansável. “No momento em que não tínhamos voz, ela nos representou. Poderíamos dizer que este foi o século de Bibi Ferreira. Ela ainda vive porque ela é uma semente no coração das mulheres brasileiras. Dizem que Bibi Ferreira nasceu e morreu no palco. Prefiro dizer que ela vive e viverá enquanto viver o teatro brasileiro”, disse Simone durante a sessão solene.

Artistas de MS
A cantora Delaninha (Delanira Pereira Gonçalves) e a violeira, cantora e compositora Helena Meirelles (in memorian) foram as artistas sul-mato-grossenses homenageadas por indicação da senadora Soraya Thronicke (PSL-MS).

O Diploma

Plenário do Senado Federal durante sessão solene do Congresso Nacional destinada à entrega do Diploma Bertha Lutz em sua 18ª premiação. Mesa: senadora Mailza Gomes (PP-AC); senadora Zenaide Maia (Pros-RN); senadora Soraya Thronicke (PSL-MS); senadora Daniella Ribeiro (PP-PB); senadora Simone Tebet (MDB-MS); presidente do Senado, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP); senadora Eliziane Gama (PPS-MA); senadora Leila Barros (PSB-DF); senadora Rose de Freitas (Pode-ES); senadora Selma Arruda (PSL-MT); senadora Kátia Abreu (PDT-TO). Foto: Geraldo Magela /Agência Senado

O Diploma Bertha Lutz é entregue pelo Senado desde 2001, em reconhecimento a pessoas que se destacam na luta pelo protagonismo feminino na sociedade brasileira. O nome do diploma é uma referência a Bertha Lutz, precursora no Brasil na luta pelo direito de voto às mulheres, conquistado em 1932.

Em 2018, foram homenageadas as 26 deputadas que participaram da Assembleia Constituinte em 1988. Também já foram agraciadas com o diploma a escritora e tradutora Lya Luft, a ex-ministra do STF Ellen Gracie, e a secretária-geral da Federação Nacional de Trabalhadores Domésticos (Fenatrad), Creuza Maria Oliveira.

Bertha Lutz
Bertha Lutz (1894-1976) é uma referência para o movimento feminista no Brasil. Ela foi a segunda mulher a se tornar deputada federal na história do país. A primeira foi Carlota Pereira de Queirós. Bertha era formada em Biologia e Direito e foi a primeira mulher a integrar uma delegação diplomática brasileira, em 1945, na conferência em que foi redigida a Carta das Nações Unidas. Ela também integrou a delegação brasileira à Conferência do Ano Internacional da Mulher, no México, em 1975.

Assessoria de imprensa