Simone Tebet vai revogar decretos que comprometem a sustentabilidade da Amazônia | Simone Tebet
Simone Tebet Simone Tebet

A nova esperança
do Brasil

Simone Tebet vai revogar decretos que comprometem a sustentabilidade da Amazônia

A pré-candidata do centro democrático à Presidência da República, a senadora Simone Tebet (MDB-MS), disse na manhã de hoje, quarta-feira (22/06), que revogará todos os decretos produzidos pelo atual governo federal, que possam comprometer a sustentabilidade da Amazônia, assim como fortalecerá órgãos de fiscalização e preservação como a Funai, o Ibama e o ICMBio. “Para isso, vou precisar só de uma caneta”, afirmou a parlamentar. “Mas, para chegarmos a 2023, temos de sobreviver a 2022”, destacou, observando que tramitam no Congresso Nacional projetos que favorecem a grilagem e a mineração em terras indígenas. “Precisamos impedir esse retrocesso legislativo.”

A afirmação foi feita em uma sabatina online promovida pela rádio CBN, com a participação dos jornalistas Cassia Godoy, Milton Jung, Miriam Leitão, Vera Magalhães e Bernardo Mello Franco. Na sequência, a senadora participou de outra sabatina online, em entrevista à Rádio Jornal, do Recife, do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, que teve apresentação de Geraldo Freire e presença dos jornalistas Igor Maciel e Romoaldo de Souza.

Ainda em relação à Amazônia, a parlamentar expôs qual será a base de sua política para a região, considerando o tópico sustentabilidade e preservação da floresta. “O nosso foco tem de ser introduzir o desmatamento ilegal zero e expandir de forma acelerada iniciativas de baixo carbono”, enumerou. “Temos ainda de ter uma ‘diplomacia verde’, porque, pela primeira vez, podemos ser o centro da geopolítica. Temos o que o mundo não tem: a Amazônia, um ativo verde que pode nos ajudar a erradicar a miséria e a diminuir a pobreza no Brasil.” Ela acrescentou que os “investidores, nacionais e internacionais, estão prontos” para apoiar projetos sustentáveis, mas é preciso que o país “faça sua lição de casa”.

Reforma Tributária
Na entrevista à CBN, a senadora reafirmou também a urgência das reformas, em particular a tributária, que define como a “mãe de todas as reformas”, e a administrativa. Neste último caso, destacou que “reforma administrativa não significa perseguir o servidor público”, pois “foi o enfermeiro, foi o médico, quem salvou vidas na pandemia”. O entrave a ser enfrentado é o Estado “paquiderme, moroso, sem transparência e eficiência”. Nesse contexto, a pré-candidata realçou a importância de medidas modernizantes como a digitalização do governo. “A governança passa por um governo digital, integrado”, disse, concluindo: “A reforma administrativa é aquela que vai melhorar a qualidade do serviço público”.

Petrobras e Lei das Estatais
Na sabatina da CBN, a pré-candidata criticou quaisquer tentativas de mudança da Lei das Estatais, que estariam em curso no Congresso Nacional, se tiverem como objetivo facilitar a ingerência política nessas empresas. A lei, aprovada no governo Temer, criou normas de governança corporativa e regras para compras, licitações e contratação de dirigentes em companhias públicas e sociedades de economia mista, como é o caso da Petrobras. “O texto [que propõe tais mudanças] ainda não chegou no Senado, se for nesse sentido [se fragilizar as regras de controle] vou trabalhar radicalmente contra”, disse. “Mas não acredito em um retrocesso em relação a essa lei.”

Desenvolvimento Regional
Na entrevista à Rádio Jornal, do Recife, a senadora abordou, notadamente, a questão do desenvolvimento regional. Ela observou que o país precisa de um amplo plano que trate cada tema como saúde, educação e industrialização, por exemplo, “sempre com um olhar específico” para cada região. “O governa deve proteger quem precisa mais”, afirmou. “O Norte e o Nordeste necessitam de políticas diferenciadas e vai ser assim no meu governo.”
Questionada sobre o papel da ética na atual campanha presidencial, a parlamentar considerou que o assunto ainda ocupará importante espaço na corrida eleitoral e será considerado pelos eleitores na escolha de um candidato. “A corrupção tira o leite de dentro de casa das famílias brasileiras”, afirmou. “Os impostos vão para os cofres da União e esse dinheiro é para servir as pessoas, para dar educação de qualidade, saúde eficiente, para garantir segurança pública, garantir obras de saneamento, asfalto, drenagem e casas populares.”

+ Notícias

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A transformação da economia será gigante, afirmou Tebet em plenária de discussão das Rotas de Integração Sul-Americana

A comitiva do governo federal realizou ainda uma visita técnica ao porto de Tabatinga no Amazonas O Acre, um dos Estados mais isolados do país…

leia mais
Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Fronteiras são sinônimo de solução, diz Tebet, em plenária sobre as rotas de integração

Em evento em Boa Vista, MPO debate projeto das rotas Sul-Americanas com autoridades e empresários de Roraima O Ministério do Planejamento e Orçamento deu sequência,…

leia mais
Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Ministério do Planejamento e Orçamento e Governo Francês assinam Memorando de Entendimento

Assinatura do documento ocorreu nesta quinta (28/3), em Brasília, e prevê o desenvolvimento de atividades relacionadas aos temas de financiamento externo, gênero e sustentabilidade Durante…

leia mais
Simone Tebet

Quem é Simone Tebet